(47) 3041-2326 / 99956-2326 contato@adamtecnologia.com

Pacto de Mediação assinado por empresas deve ampliar mercado para advogados

Pacto de Mediação assinado por empresas deve ampliar mercado para advogados

17 nov, 2014 | Adam, Adam Sistemas, AdamNews, Arbitragem, Conciliação, Mediação, Notícias | 0 Comentários

AdamNews – Divulgação exclusiva de notícias para clientes e parceiros!
A busca pela mediação de conflitos de forma extra-judicial na Justiça brasileira vem desde 1996, quando foi sancionada a Lei 9.307, que regulamenta os processos de arbitragem no âmbito jurídico. No entanto, casos em que a busca por consenso entre as partes continuam sendo vistos como uma raridade.
Agora, o país tem a chance de avançar nessa área da mediação, alavancando também a figura do advogado, que passa a atuar como um conselheiro e menos como um protagonista da ação, aposta o advogado Marco Lorencini, do escritório L.O. Baptista-SVMFA.A mudança ganhou forma na assinatura do Pacto de Mediação, uma espécie de carta compromisso assinada na terça-feira (11/11), na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
Lorencini foi um dos idealizadores do pacto, junto com o desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo Kazuo Watanabe. O documento foi assinado por cerca de 200 entidades da sociedade civil, entre elas escritórios de advocacia, bancos e empresas do setor privado. A novidade está no protagonismo da sociedade civil e do mercado na busca desse tipo de solução.
Com 17 pontos-chave, o pacto foca na capacidade que a mediação apresenta em diminuir os custos e o tempo das empresas em processos contenciosos. O texto lembra experiências estadunidense e europeia, onde a mediação de conflitos é praxe. Relatório do parlamento europeu de 2011, por exemplo, enfatiza a diminuição de custos diretos (tempo, honorários e perícias, por exemplo) e indiretos — como perda de relacionamentos entre fornecedores e empresas, por exemplo. Nos Estados Unidos, mais de 4 mil empresas e 1,2 mil escritórios de advocacia já aderiram ao pacto e a mediação vem sendo a escolha mais frequente nos últimos anos.
Ganho em escala
Para Lorencini, esse é “mais um campo que se abre para a atuação do advogado”, disse à ConJur. Isso porque ele pode atuar também nos processos de arbitragem e no Judiciário. Além disso, o advogado tende a ganhar no volume de processos do qual participa, seja como conselheiro, seja como mediador, explica. Lorencini lembra ainda que a mediação não impede, também, que haja recurso para o Judiciário.
Um exemplo de mediação recente foi a Câmara de Conciliação instaurada pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo no caso de um trem que descarrilou e matou oito pessoas no interior do Estado, em 2013. O processo se deu sem a intermediação do Judiciário e foi concluído em menos de um ano. Processo que envolvem arbitragem, apesar de mais rápidos que a Justiça comum — que podem levar décadas para serem finalizados — costumam ser mais demorados do que isso.
Mudança Cultural
O Conselho Nacional de Justiça, por meio da Resolução 125, estabelece o mínimo de horas e a maneira como forma-se um mediador de conflitos. “As pessoas de alguma forma acham que a mediação é negociar com a pessoa da esquina”, aponta Marco Lorencini.
Segundo ele, a mudança de foco das posições que as partes tomam e o envolvimento que elas têm em um processo litigioso tendem a diminuir com a presença do mediador. O foco está em “como encaminhar os interesses, e não as posições pessoais das partes”. Essa postura melhora a relação do advogado com os as partes porque ele passa a ser visto mais como um conselheiro do que como um líder a tentar demover uma banca decisória, explica Lorencini.
Alexandre Facciolla é repórter da revista Consultor Jurídico.
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 15 de novembro de 2014, 16h59

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × 3 =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.