(47) 3041-2326 / 99956-2326 contato@adamtecnologia.com

Conselhos profissionais investem em câmaras de mediação

Conselhos profissionais investem em câmaras de mediação

9 jan, 2015 | Adam, Adam Sistemas, AdamNews, Arbitragem, Notícias | 0 Comentários

AdamNews – Divulgação exclusiva de notícias para clientes e parceiros!
A conciliação vem ganhando cada vez mais espaço fora dos tribunais. Um exemplo disso é o setor da Construção Civil, que, em Minas Gerais e no Paraná, está solucionando problemas como erros de construção e inadimplência em contratos de forma negocial. Os acordos são promovidos e celebrados nas câmaras de Mediação e Arbitragem criadas pelos conselhos regionais de Engenharia e Agronomia (Creas) dos estados.
A iniciativa, além de solucionar os conflitos de forma rápida e conciliada, evita que a Justiça fique ainda mais sobrecarregada de processos. A prática conta com o apoio do Conselho Nacional de Justiça. O órgão de planejamento do Judiciário instituiu, por meio da Resolução 125, a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesse no âmbito do Judiciário.
A advogada Camila Linhares, diretora da Câmara de Arbitragem do Crea-MG, diz que a iniciativa oferece quatro procedimentos voltados à solução pacificada de conflitos: a conciliação, a mediação, a arbitragem e a DRB — sigla para Dispute Resolution Board, modalidade de solução de conflitos muito utilizada em grandes obras pelo mundo.
“Por meio do DRB é instituído um grupo de profissionais capacitados da indústria e da construção. Esses profissionais atuam na solução de conflitos, evitando o surgimento de longas demandas. Ou seja, toda execução da obra é acompanhada por um grupo de profissionais, preferencialmente engenheiros e advogados preparados. Na medida em que os conflitos forem surgindo, os assuntos são resolvidos pontualmente sem deixar que os problemas se acumulem”, afirmou.
A conciliação na Construção Civil em Minas começou em dezembro de 2012, após Crea e a Defensoria Pública do estado firmarem um convênio. Por essa parceria, os assistidos que chegam à Defensoria para pedir assistência a conflitos relacionados às áreas de engenharia e agronomia são instruídos a buscar a Câmara de Mediação e Arbitragem. Outra obrigação prevista no acordo é que a Defensoria Pública preste assistência jurídica a quem solicite sempre que a outra parte do conflito estiver com advogado.
Desde sua criação, a Câmara de Mediação e Arbitragem do Crea-MG fez 154 audiências na busca de conciliação. Os interessados podem participar tanto presencialmente quanto por outros meios, como por e-mail. Do total de audiências organizadas até o momento, 76 (ou 49,35%) resultaram em acordos entre as partes. A câmara administra casos do interior do estado. Um recente questionário apontou índice de satisfação de 90%, destacou a diretora.
Experiência no Sul
Em Curitiba, a atividade da Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) começou em março de 2003. “Nosso objetivo é prestar auxílio, preferencialmente, aos profissionais das áreas tecnológicas e também aos seus clientes, para a resolução de eventuais conflitos que possam acontecer no desempenho de suas funções e nos contratos por eles firmados”, explica o economista Newton Strojenski, administrador geral da câmara.
“Na Câmara de Mediação e Arbitragem do Crea do Paraná são aceitos, normalmente, os pedidos de mediação e arbitragem de questões que envolvam quaisquer pessoas, empresas ou instituições para resolução de divergências nas áreas comercial, societária, ambiental, organizacional, dentre outras.”
De acordo com ele, as demandas que chegam à câmara não tratam apenas de questões relacionadas à engenharia ou agronomia. “Um conflito que envolva, por exemplo, uma dívida de aluguel pode ser normalmente levado a nossa câmara para uma solução conciliada”, disse.
A câmara paranaense atua em parceria com o Instituto de Mediação e Arbitragem do Paraná. Desde que começou a funcionar, o órgão mediou 235 conflitos. Desse total, 79 (ou 33,61%) resultaram em acordos entre as partes. Segundo Newton Strojenski, a mediação e a arbitragem, que trazem soluções mais rápidas em comparação à Justiça, são as práticas mais adequadas para a solução de questões relacionadas à engenharia.
“As atividades de engenharia são, em sua maioria, praticadas em equipe, envolvendo inúmeras frentes simultâneas de trabalho, o que propicia um maior número de controvérsias e conflitos. A solução desses conflitos nos empreendimentos de engenharia exige rapidez e a preservação da relação entre as partes, sob pena de paralisação das atividades por longo período, o que redundaria em grandes perdas da qualidade, com o desmonte de equipes, a deterioração das obras inacabadas, os custos com improdutividade, as multas por atraso etc”, afirmou.
Segundo Strojenski, a mediação preserva o inter-relacionamento, restabelece a confiança entre as partes, garante o sigilo e é rápida. “A conciliação evita desgastes entre as partes, facilita uma rápida solução e pode ser sigilosa. E a arbitragem favorece o diálogo e consequente acordo”, destacou. Com informações da assessoria de imprensa do CNJ.
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 7 de janeiro de 2015, 20h45

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

três × 1 =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.