WhatsApp: (47) 9.9956-2326 E-mailcontato@adam.net.br

Poder Judiciário, Arbitragem, Conciliação, Mediação e Democracia

Poder Judiciário, Arbitragem, Conciliação, Mediação e Democracia

10 out, 2013 | Adam, Adam Sistemas, AdamNews, Arbitragem, Conciliação, Mediação, Notícias | 0 Comentários

Na época da Ditadura, o Judiciário brasileiro tinha como função o controle da sociedade civil, por meio da pura aplicação do direito vigente de então, restringindo-se as liberdades individuais.

Entretanto, com o passar do tempo, o papel do Judiciário se modificou diante dos anseios do povo. As ideias de República, como o Estado, enquanto coisa do povo – res publique, e de os governantes devendo sofrer limites ao seu Poder não eram práticas comuns. Como sabemos, a censura ocorria com frequência. Não interessava um Judiciário forte.
Na época, o Judiciário sofria influência do Executivo e, assim, suas atividades de solucionar conflitos restavam prejudicadas.

Com a chegada do Estado Democrático de Direito, ou seja, regido por uma Democracia e balisado por leis, que buscam limitar a atuação dos governantes, o Judiciário assume, assim, função fundamental em determinados aspectos, como na efetivação dos direitos individuiais e coletivos, solucionando conflitos; no controle dos demais poderes; e no controle de constitucionalidade.

Todavia, apesar do papel fundamental assumido pelo Judiciário, devemos ressaltar novas formas de solução de conflitos, tais como a Arbitragem, prevista na Lei 9.307/96; Conciliação, disposta no Código de Processo Civil, na Lei 9.099/95 (Juizados Especiais) e na Consolidação das Leis Trabalhistas (Comissões de Conciliação Prévia); e Mediação, sem lei específica.

Assim, a arbitragem ocorre quando as partes não solucionam de modo amigável o caso. É um procedimento contencioso e informal. O árbitro, um especialista sobre o tema, avalia a questão e decide. Normalmente, as partes o escolhem ou é indicado pela câmara arbitral, devido seu grande conhecimento sobre determinado tema. A arbitragem não pode ser resolvida por acordo. Os interessados optam por uma decisão, que não a da Justiça comum.

Na conciliação, por sua vez, as partes já identificam nitidamente o problema que deve ser solucionado. As partes desejm um acordo digno e justo para ambas. A decisão do impasse é a finalidade do conciliador, que procura firmar o acordo.

Já na mediação, as partes do conflito são o foco do mediador, que busca restabelecer sua relação, para, então, focar no objeto.

São, assim, formas democráticas e céleres de solucionar conflitos e de se evitar o congestionamento do Judiciário, que poderá ser utilizado, somente quando realmente necessário. Seria preciso, então, mudar gradativamente uma cultura de sempre se socorrer ao Judiciário, sem, é claro, de não deixar de reconhecer a sua importância.

Fonte: Fundação Nacional de Mediação de Conflitos

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quinze + 3 =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.