(47) 3041-2326 / 99956-2326 contato@adamtecnologia.com

Convenção de Viena traz benefícios para contratos internacionais

Convenção de Viena traz benefícios para contratos internacionais

9 set, 2014 | Adam Sistemas, AdamNews, Arbitragem, Notícias | 0 Comentários

AdamNews – Divulgação exclusiva de notícias para clientes e parceiros!
Por Ana Paula Oriola de Raeffray
Desde 1º de abril de 2014 vigora no Brasil a Convenção de Viena sobre contrato de compra e venda internacional de mercadorias (CISG em inglês). Com a adesão de 79 países, a Convenção tem por objetivo uniformizar a formação dos contratos de compra e venda internacional de mercadorias e as obrigações das partes nesses contratos.
Para qualquer empresa brasileira que atue nos segmentos de importação e exportação de mercadorias, a insegurança jurídica que paira nos contratos é efetiva, começando no momento de sua formação, com a escolha da lei de regência, sendo certo que em contratos internacionais as partes sempre acabam elegendo a lei de um país neutro, ou seja, a lei de um terceiro país que não seja o da sede das próprias pessoas pactuantes.
No momento da escolha da lei de regência de um contrato de venda e compra internacional, os contratantes não conseguem prever se o contrato terá sucesso ou não no seu cumprimento. No caso de sucesso, é claro, a lei de regência não será muito importante, mas no caso de insucesso certamente o será.
O custo de um processo judicial ou de um processo de arbitragem no Brasil é muito grande, considerados os custos diretos (despesas processuais, honorários advocatícios) e os custos indiretos (tempo da decisão, pessoas envolvidas, imagem da empresa). No exterior, da mesma forma, ele também é muito grande, em especial para empresas brasileiras, as quais precisarão contratar profissionais em outros países para assessorá-las em moeda estrangeira sem considerar, por vezes, o próprio desconhecimento da lei a que está submetido o contrato.
A imprevisibilidade dos custos e também da decisão que será obtida é bastante considerável nesta situação. Imagine uma empresa brasileira que realizou um contrato com uma empresa chinesa, elegendo a lei francesa para reger o contrato. Em suma, na quebra do contrato, as duas empresas estarão sob a égide de uma lei que lhes é desconhecida, o que traz efetiva insegurança jurídica.
É justamente neste campo que a Convenção de Viena traz ótima solução, posto que as partes dos contratos de venda e compra internacional, signatários da CISG, poderão optar por elegê-la para reger o contrato. Com isso, os contratos internacionais serão regidos por lei uniforme para todos os países signatários. Esta opção importa em menores custos para os contratantes e também na previsibilidade e segurança jurídica nas relações comerciais estabelecidas.
Na Convenção de Viena estão previstas regras relativas à formação do contrato de venda e compra, como também as obrigações do comprador e do vendedor, a transferência de riscos entre as partes contratantes, com previsão, inclusive, de quais os remédios disponíveis à parte que venha a ser prejudicada por uma eventual quebra do contrato.
A adesão do Brasil a este tratado, sem dúvida, traz eficiente avanço para as empresas brasileiras no mercado internacional, propiciando inclusive a quebra de barreiras culturais, pois não será mais preciso conhecer profundamente a legislação de um país para realizar contratos de compra e venda de mercadorias com empresa que esteja nele sediada, bastando adotar a CISG
Ana Paula Oriola de Raeffray é advogada, sócia do Raeffray Brugioni Advogados, mestre e doutora em Direito das Relações Sociais pela PUC de SP
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 6 de setembro de 2014, 10:09

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dez − sete =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.