(47) 3041-2326 / 99956-2326 contato@adamtecnologia.com

Contratos com arbitragem alcançaram R$ 3 bi em 2011

Contratos com arbitragem alcançaram R$ 3 bi em 2011

8 jan, 2013 | Adam, Adam Sistemas, Arbitragem, Notícias | 0 Comentários

Advogada Selma Lemes: houve um aumento sensível no número de casos, principalmente a partir da crise

As cinco maiores câmaras de arbitragem do Brasil julgaram, em 2011, 122 processos que juntos somaram R$ 3 bilhões. É o maior valor desde 2005, ano em que os resultados dessas câmaras passaram a ser mapeados. Naquela época, os montantes discutidos corresponderam a R$ 247 milhões e o número de casos a 21. Em sete anos, portanto, o crescimento dos valores envolvidos nas discussões entre empresas submetidas à arbitragem foi superior a 1.000%

A pesquisadora responsável pelo estudo, Selma Lemes, advogada especialista no tema e uma das coautoras da Lei de Arbitragem, afirma que a procura pelo instituto espelha, além da confiança no sistema, o crescimento econômico do Brasil nos últimos seis anos e a crise econômica de 2008 – ano em que o número de procedimentos correspondeu a 77. Já em 2009, em razão dos problemas gerados pela crise, o número de casos pulou para 134. Selma afirma que discussões sobre inadimplemento contratual, cláusulas bancárias em contratos de derivativos e questões sobre investimentos na área de infraestrutura no país passaram a ser discutidos em arbitragens a partir de então. “O aumento no número casos ocorreu sensivelmente, principalmente a partir da crise. A confiança no instituto tem colocado na mão dos árbitros a decisão sobre valores vultuosos”, afirma.

De acordo com a pesquisa, os valores envolvidos nas disputas também têm aumentado gradativamente. Em 2008 foram discutidos processos cujos valores envolviam cerca de R$ 867 milhões. No ano seguinte, o montante chegou a R$ 2,225 bilhões. Já em 2010, pulou para R$ 2,303 bilhões. A média de procedimentos tem se mantido, nos últimos três anos, na casa de 126 novos casos por ano.

O advogado Pedro Batista Martins, especializado na área e também um dos coautores da Lei de Arbitragem, afirma que no início – a norma é de 1996 e em 2001 foi julgada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – os valores envolvidos nas arbitragens eram bem menores e os tipos de discussões mais restritos, pois os método de resolução de conflitos era ainda pouco conhecido. Hoje, porém, o panorama é outro, segundo ele.

Atualmente, como afirma Martins, o sistema é conhecido por advogados e empresários, há uma jurisprudência consolidada na Justiça sobre o tema e um grande grupo de árbitros. Ele também avalia que a evolução da arbitragem de certa forma andou ao lado do crescimento econômico brasileiro. “As empresas brasileiras se internacionalizaram, o país é receptor de capital estrangeiro e parceiro do mercado internacional”, diz. Como a arbitragem é o método normalmente eleito para a resolução de possíveis desavenças em contratos comerciais internacionais, o crescimento se justificaria.

A pesquisa, realizada por Selma Lemes desde 2005, acompanha os casos julgados e valores das câmaras da Amcham, CCBC, Fiesp/Ciesp, Camarb e FGV. As três primeiras são de São Paulo, a penúltima de Belo Horizonte e a última do Rio de Janeiro. Segundo Selma, em 2011, 82% dessas arbitragens foram realizadas por câmaras paulistas.

O aumento na adoção da arbitragem como método de resolução de conflitos por empresas brasileiras pode ser visto em câmaras fora do Brasil também. Segundo a presidente do Comitê Brasileiro de Arbitragem (Cbar), Adriana Braghetta, também sócia do escritório LO Baptista, na câmara de arbitragem da Câmara de Comércio Internacional (CCI) – uma das mais antigas do mundo com sede em Paris – o Brasil aparece em 7º lugar em número de procedimentos. Entre os países da América Latina, está em primeiro e em segundo vem o México. “Em 2011, um terço dos casos que envolviam o Brasil na CCI tinha apenas partes brasileiras”, afirma.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em https://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

https://www.valor.com.br/brasil/2960894/contratos-com-arbitragem-alcancaram-r-3-bi-em-2011#ixzz2HO1NqTp2

Fonte: Valor | Por Zínia Baeta | De São Paulo

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

11 − onze =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.