(47) 3041-2326 / 99956-2326 contato@adamtecnologia.com

Ao completar 18 anos, números mostram crescimento da arbitragem no Brasil

Ao completar 18 anos, números mostram crescimento da arbitragem no Brasil

2 out, 2014 | Adam, Adam Sistemas, AdamNews, Arbitragem, Notícias | 0 Comentários

AdamNews – Divulgação exclusiva de notícias para clientes e parceiros!
Por Eliane Carvalho Teixeira
Não muito tempo atrás, se disséssemos que trabalhávamos com arbitragem no Brasil, a pergunta seguinte seria: “em que modalidade esportiva?” A arbitragem não fazia parte do currículo das faculdades de direito e muitos torciam o nariz para a novidade. Como disse Caetano Veloso, “Narciso acha feio o que não é espelho…”.
Vários “Narcisos” não visualizavam na lei 9.307/96 um método útil, válido e eficaz de solução de litígios e vários outros advogados da área, talvez por resistência ao desconhecido, duvidaram de sua constitucionalidade.
Apenas a partir de 2002, após a decisão proferida na SE-5.206, quando enfim o Supremo Tribunal Federal atestou a constitucionalidade da Lei de Arbitragem, que a prática da arbitragem no Brasil pôde difundir-se de forma mais estruturada.
De lá para cá, os números expressam a sua crescente utilização. Conforme pesquisa desenvolvida pela Professora Selma Lemes — especialista no assunto e co-autora do Anteprojeto da Lei de Arbitragem — , em 2005, tínhamos, no Brasil, 21 arbitragens, que envolviam aproximadamente R$247 milhões. Nove anos depois, o número de arbitragens subiu para 821 casos, os quais envolveriam aproximadamente R$18 bilhões.
Conforme estatística divulgada pela Corte de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional de Paris (CCI) — a instituição arbitral mais conhecida e utilizada no mundo —, o Brasil é o 4º país em número de usuários da CCI (atrás apenas dos Estados Unidos, Alemanha e Canadá) e o 7º colocado na lista de país sede de arbitragens internacionais.
Esse crescimento não se verificaria se não tivéssemos tido a dedicação dos estudiosos, a boa utilização pelos operadores da ferramenta e, principalmente, se não fosse pelo imprescindível apoio do Poder Judiciário brasileiro.
Além da emblemática decisão, que reconheceu a constitucionalidade da Lei de Arbitragem, muitas outras decisões judiciais vieram em defesa, prestígio e benefício da arbitragem.
Não por outra razão, em fevereiro de 2014, o Brasil recebeu da Global Arbitration Review, o prêmio de most improved jurisdiction o que, ao pé da letra, reconhece que a jurisdição brasileira foi a que mais se aprimorou.
O Brasil é definitivamente um país arbitration friendly e com o apoio do Poder Judiciário local é possível recomendar aos nossos clientes, nacionais e estrangeiros, a utilização da arbitragem como forma de solução de litígios, reconhecendo-a como mecanismo não só válido e eficaz, mas também célere, especializado e eficiente.
Mas, nem tudo são flores.
Ninguém diria, ingenuamente, que não existiram decisões (judiciais ou arbitrais) ou experiências ruins com a utilização da arbitragem. Muitos experimentaram, não gostaram e voltaram a adotar as antigas cláusulas de eleição de foro em seus contratos.
No entanto, é necessário que se distinga as experiências ruins daquelas que decorreram do dissabor de um resultado desfavorável. Nesse ponto, vale dizer que as partes culturalmente recorrem. Raramente, aceitam e cumprem, espontaneamente, as decisões judiciais. A regra é a apresentação de recurso à instância superior e o tempo entre a primeira decisão desfavorável e o julgamento de um recurso muitas vezes serve de bálsamo à parte vencida. Anos depois, quando o caso for decidido no Tribunal, a provisão da perda noticiada como provável estará lançada no balanço da empresa litigante e todos estarão conformados com a (já antiga) derrota.
Em se tratando de arbitragem, tudo é mais célere. Não há recurso. Entre a decisão final e seu cumprimento, muitas vezes não há mais que 30 dias. A parte vencida, culturalmente acostumada a recorrer (às vezes, a espernear), não aceita a decisão que lhe é contrária e com alguma frequência transfere para o método utilizado na solução do litígio, o dissabor experimentado na derrota.
Aquilo que parece óbvio deve ser enfatizado: uma decisão desfavorável em um procedimento arbitral não deve se confundir com uma experiência ruim e desfavorável com o método utilizado.
Quando se trata de utilizar um método alternativo, de prezar pela especialidade, pela celeridade, pela eficiência, se trata também de amadurecer, de culturalmente crescer e abrir mão do “ius esperniandi”.
Em 23 de setembro de 1996 nascia a arbitragem no Brasil. Foi uma criança sossegada na idade tenra; deu-nos pouco trabalho; dormiu bastante. Dos seis anos em diante, em idade escolar, passou a desbravar o mundo; sua evolução foi visível e seu crescimento fato indelével. Na adolescência, como sói acontecer, vieram crises existenciais; todas saudáveis e naturais, afinal, também elas fazem parte do amadurecimento e da consolidação de valores.
Enfim, a arbitragem completa 18 anos e atinge a maioridade. Merece nosso aplauso e reconhecimento. Não há dúvidas de que cresceu muito, de que é um adulto bem formado e de que tem potencial incrível. Desafios hão de vir, mas ficam os augúrios de que tenha uma maturidade plena e duradoura.
Eliane Carvalho Teixeira é sócia do Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2014, 07:19

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 × 3 =

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência em nosso site. Leia nossa Política de Privacidade.
Você aceita?

Configurações de Cookie

A seguir, você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FuncionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalíticoNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de a.o. a usabilidade.

Mídia SocialNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

PublicidadeNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OutrosNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.